Monday, February 27, 2012

Alterações aos Códigos do Imposto sobre o Valor Acrescentado e do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Foram recentemente publicadas as Leis n.º 3/2012 e n.º 4/2012, ambas de 23 de Janeiro, que alteram os Códigos do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) e o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC), respectivamente.

As alterações serão devidamente analisadas depois da publicação dos respectivos regulamentos.

Entretanto, um facto curioso chamou a nossa atenção em relação aos referidos diplomas. O artigo 1-A da Lei n.º 3/2012, de 23 de Janeiro, e o artigo 2-A da Lei n.º 4/2012, de 23 Janeiro, estabelecem: «Compete ao Governo regulamentar a presente lei, até a sua entrada em vigor».

Contudo, ambos os diplomas contêm dispositivos que fixam o dia 1 de Janeiro de 2012 como a data da sua entrada em vigor. Se as leis foram publicadas no dia 23 de Janeiro de 2012, começando a vigorar no dia 1 de Janeiro de 2012, como poderá o Conselho de Ministros regulamentá-las até ao início da sua vigência?

Parece-me, salvo melhor opinião em contrário, que estamos aqui perante um lapso do legislador fiscal, uma vez que as leis já estão em vigor.

*Um amigo, com quem discutia o assunto, afirmou que, na verdade, o legislador tomou em consideração as datas da aprovação das leis pela Assembleia da República (23 de Novembro de 2011). Ora, tal opinião não pode ser acolhida.

J. Alper Mugalela

Saturday, October 23, 2010

The stock market on May 6, 2010

That Thursday seemed like a regular day to me. I got back from work at 06:45 p.m. (12:45 p.m. in New York), sat down in my armchair and turned on the television. After flipping through the channels, I decided to watch CNBC. The stock market was down with the European debt crisis dominating the news.

Well, it was not a surprise to me. That was the stock market's regular trend over the past couple of years or so and it was more like those day-to-day fluctuations that we all got used to.

Suddenly, at about 8:43 p.m. (2:43 p.m. in New York), the Dow Jones Industrial Average began to fall like a parachute. By 8:45 p.m. (2:45 p.m. in New York), the index was down 998.50 points or 9.2% to 9,869.62. That was breaking news! That was history taking place at that very moment! I have heard about some stock market crashes, but have never seen anything like that before.

By 9:10 p.m. (3:10 p.m. in New York), the index regained most of its points to close at 10,520.32, down 348 points or 3.2%. I was sitting there, glued to the television, completely stunned. What was that?

The debate was launched. The subsequent weeks were marked by discussions on what became known as the 2010 Flash Crash. Day in and day out, investigators brought different explanations for the plunge. But I still could not understand what exactly happened.

On May 18, 2010, the U.S. Commodity Futures Trading Commission (CFTC) and the U.S. Securities and Exchange Commission (SEC) issued a joint preliminary report entitled «Preliminary Findings Regarding the Market events of May 6, 2010».

One curious portion of the report states: «We found no evidence that these events were triggered by 'fat finger' errors, computer hacking, or terrorist activity, although we cannot completely rule out those possibilities».

The preliminary report did not provide answers to the questions asked. It presented a lot of data and set the background to a more logical debate over the events of that date. The cause of the crash was still a mystery.

On September 30, 2010, the two agencies released their «Findings Regarding the Market events of May 6, 2010». The 104-page report basically concludes that it all had to do with the use of an algorithm to trade the E-mini futures contract (the electronically traded futures contract available on the Chicago Mercantile Exchange).

As the report reads: «At 2:32 p.m. (...), a large fundamental trader (a mutual fund complex)initiated a sell program to sell a total of 75,000 E-mini contracts (valued at approximately 4.1 billion)as a hedge to an existing equity position».

It continues: «This large fundamental trader chose to execute this sell program via an automated execution algorithm (...) that was programmed to feed orders into the June 2010 E-mini market to target an execution rate set to 9% of the trading volume calculated over the previous minute, but without regard to price or time».

The explanation seems perfectly reasonable to me. However, the report fails to answer an important question: what precautionary measures should be taken to avoid a similar flash crash?

J. Alper Mugalela

Sunday, May 23, 2010

Thou shalt pay thy taxes

As a Catholic, I couldn't write about taxes without mentioning the Bible and the teachings of our Savior, the Lord Jesus Christ. Since our everyday lives are influenced by religion in that we tend to find a divine explanation for most of our actions, I decided to embark on a quick biblical journey for answers.

The questions here are: do we really have to pay taxes? And if we do, is there any religious basis for that? Well, it is interesting how God's Word brings simple answers to these questions.

By looking at Romans 13,wrote by the Apostle Paul, we inevitably find the first fundamental issue: submission to the authorities. Romans 13:1 states: «Let every person be subject to the governing authorities. For there is no authority except from God, and those that exist have been instituted by God».

As a result, Romans 13:6-7 proclaims: «For because of this you also pay taxes, for the authorities are ministers of God (...). Pay to all what is owed to them: taxes to whom taxes are owed, revenue to whom revenue is owed, respect to whom respect is owed, honor to whom honor is owed».

In proper context, the Apostle Paul teaches us that we should follow government law unless it is a violation to God's law.

As we can all see, the Bible commands us to pay our taxes, making it clear that it is an offense not to do so. Even Jesus did it. In Matthew 17:24-27, he tells Peter to go to a lake, catch a fish and open its mouth to find a four-drachma coin to pay their taxes.

In Matthew 22:17-21, the Pharisees asked Jesus: «Tell us then, what's your opinion? Is it right to pay taxes to Caesar or not?», but Jesus, knowing their evil intent, said: «You hypocrites, why are you trying to trap me? Show me the coin used for paying the tax». They brought him a denarius and he asked them: «Whose portrait is this? And whose inscription?». «Caesar's» - they replied. Then he said to them: «Give to Caesar what is Caesar's and to God what is God's».

Well, those are the answers. Look no further for it's plain to see. Thou shalt pay thy taxes.

J. Alper Mugalela

Friday, May 14, 2010

Adeus Saldanha Sanches (1944-2010)...

Morreu hoje, dia 14 de Maio de 2010, vítima de doença, o grande fiscalista português Saldanha Sanches, autor de vários artigos e livros sobre assuntos fiscais.

Vai-se um grande homem e fica um valioso legado. Paz à sua alma!

J. Alper Mugalela

Wednesday, May 12, 2010

Value investing one-o-one

When I first read Benjamin Graham's «The Intelligent Investor», the first thing that came to my mind was: «Damn, this guy is really a genious!». His approach on investment and speculation, margin of safety and Mr. Market fascinated me deeply. I read the book three times.

A couple of years later, I had the chance to read «Security Analysis», co-authored by Benjamin Graham and David Dodd, and it struck me even deeper. I read it at least five times.

Those books were valious contributions to my understanding of a paradigm that has long been part of the investment spectrum: value investing.

Subsequently, I learned that the list of Graham's value-oriented disciples included the greatest investor of all times, Warren Buffett, and some others like Walter Schloss, Tom Knapp, Bill Ruane and Irving Kahn, all of them seen today as successful investors.

Their financial records speak for themselves and Mr. Buffett even bragged about such records in his «The Superinvestors of Graham-and-Doddsville» article. Here, he refuted the efficient market hypothesis developed by some prominent scholars like Eugene Fama and clearly stated: «...Our Graham and Dodd investors (...) do not discuss beta, the capital asset pricing model or covariance in returns among securities. These are not subjects of any interest to them. (...) The investors simply focus on two variables: price and value».

So what is value investing?

To be continued...
(Been tied up with some deadlines I gotta meet)

J. Alper Mugalela

Friday, April 30, 2010

Os aspectos fiscais da nova Lei de Exploração de Jogos de Fortuna e Azar

Foi recentemente publicada a Lei n.º 1/2010, de 10 de Fevereiro, concernente às concessões relativas à exploração de jogos de fortuna e azar, no território nacional. A Lei entra em vigor 180 dias após a sua publicação e revoga a Lei n.º 8/94, de 14 de Setembro.

A nova lei estabelece como um dos seus fins a captação e geração de receitas fiscais (alínea a) do n.º 2 do art. 2). Neste âmbito, são de destacar, nesse diploma, os seguintes aspectos fiscais:
  1. A obrigação do pagamento do Imposto Especial sobre o Jogo, que incide sobre as receitas brutas, resultantes da exploração do jogo após o pagamento dos ganhos aos jogadores, a ser pago quinzenalmente e dentro dos primeiros sete dias seguintes ao último dia da quinzena a que o pagamento se reportar;
  2. A obrigação do pagamento do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRPS), que incide sobre os dividendos recebidos pelos respectivos sócios;
  3. A isenção do pagamento do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC) e outros impostos (com excepção do Imposto sobre o Jogo e do IRPS), atribuída às concessionárias e aos sócios que sejam pessoas colectivas;
  4. A isenção do pagamento do Imposto sobre o valor acrescentado (IVA) e do Imposto sobre Consumos Específicos (ICE), devidos na importação de bens de equipamento e materiais destinados exclusivamente à implementação, reabilitação, expansão ou modernização e arranque da exploração de empreendimentos de casinos.

É importante notar que a exploração de jogos de fortuna e azar é, segundo o n.º 1 do artigo 7 da Lei n.º 1/2010, de 10 de Fevereiro, reservada ao Estado, podendo ser exercida por sociedades anónimas a quem seja adjudicada a respectiva concessão mediante contrato administrativo, desde que as mesmas sejam constituídas em Moçambique e tenham como objecto social essa actividade.

Aliás, o contrato de concessão de exploração dos jogos de fortuna ou azar já aparece estabelecido como contrato administrativo no n.º 2 do artigo 11 da Lei n.º 25/2009, de 28 de Setembro, que aprova a Lei Orgânica da Jurisdição Administrativa.

Os aspectos acima destacados integram o regime fiscal, que deve, nos termos do n.º 2 do artigo 18 da Lei n.º 1/2010, de 10 de Fevereiro, constar do clausulado do contrato de concessão, variando de acordo com o caso concreto.

O Imposto Especial sobre o Jogo, como já referimos, incide sobre as receitas brutas resultantes da exploração dos jogos depois de pagos os ganhos aos jogadores. As taxas do imposto estão fixadas no n.º 5 do artigo 70 da Lei n.º 15/2002, de 26 de Junho, e variam de acordo com o período de concessão, nos moldes seguintes:

  • 20% para o período de concessão de 10 a 14 anos;
  • 25% para o período de concessão de 15 a 19 anos;
  • 30% para o período de concessão de 20 a 24 anos; e
  • 35% nos casos em que o período de concessão é de 25 a 30 anos.

A aplicação dos outros regimes é de fácil compreensão, não carecendo de uma análise detalhada. Trata-se simplesmente de atribuir o benefício fiscal de isenção como forma de incentivar a actividade de exploração de jogos pelas sociedades anónimas, o mesmo não acontecendo com as pessoas singulares.

J. Alper Mugalela

Wednesday, March 10, 2010

As alterações ao Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)

O ano de 2010 começou com grandes transformações nos campos contabilístico e fiscal. O legislador nacional finalmente reconheceu o inevitável: a necessidade de harmonização das normas contabilísticas e fiscais com as Normas Internacionais de Contabilidade (NICs) e as Normas Internacionais de Relato Financeiro (NIRFs), aprovadas pelo IASB (International Accounting Standards Board). Numa altura em que importantes investimentos vão invadindo o nosso mercado, parece-nos ser um passo inteligente, do ponto de vista estratégico.

Tudo começou com a aprovação de alterações ao Código de IRPC, aprovado pela Lei n.º 34/2007, de 31 de Dezembro, e do respectivo Regulamento, aprovado pelo Decreto n.º 9/2008, de 9 de Abril. Essas alterações foram introduzidas pela Lei n.º 20/2009, de 10 de Setembro, e pelo Decreto n.º 68/2009, de 11 de Dezembro, respectivamente.

Posteriormente, foi publicado o Decreto n.º 70/2009, de 22 de Dezembro, que aprova o Sistema de Contabilidade para o sector Empresarial, abreviadamente designado por SCE, baseado nas Normas Internacionais de Relato Financeiro, e introduz ajustamentos no Plano Geral de Contabilidade em vigor, aprovado pelo Decreto n.º 36/2006, de 25 de Julho.

Neste trabalho, vamos analisar apenas algumas modificações ao Código de IRPC, uma vez que o Sistema de Contabilidade Empresarial já foi discutido noutra altura. Essas modificações são:
  1. A inserção de um regime fiscal para os activos biológicos e os produtos agrícolas, regulados pela NIC 41 – Agricultura (em Inglês, IAS 41 - Agriculture). À actividade agrícola e pecuária já era anteriormente fixada uma taxa reduzida de 10%, a beneficiar até Dezembro de 2010. Foram, no entanto, reformulados alguns aspectos ligados à periodização do lucro tributável, proveitos ou ganhos e custos ou perdas;
  2. O tratamento fiscal dos impostos diferidos, cuja contabilização é regulada pela NIC 12 – Impostos sobre o Rendimento (em Inglês, IAS 12 – Income Taxes). É importante notar que os impostos diferidos resultam das chamadas diferenças temporais e permanentes, provenientes de divergências entre o resultado contabilístico e o resultado fiscal. Na reformulação do Código de IRPC, os resultados positivos ou negativos do diferimento de impostos foram excluídos da categoria de proveitos e de variações patrimoniais positivas ou negativas;
  3. A consideração fiscal dos custos com campanhas publicitárias, definidas na lei como «os gastos realizados em acções de lançamento de marcas, produtos e/ou serviços com projecção económica num horizonte temporal superior a um ano». As despesas com a publicidade não são dedutíveis para efeitos fiscais na parte em que exceda 1% do volume de vendas resultante da actividade normal do respectivo exercício;
  4. A consideração fiscal dos encargos relativos à gratificações e outras remunerações do trabalho de membros do órgãos sociais e trabalhadores da empresa à título de participação nos resultados, desde que sejam pagas até ao fim do exercício seguinte. A contabilização de tais gratificações é regulada pela NIC 19 – Benefícios dos Empregados (em Inglês, IAS 19 – Employee Benefits);
  5. A redução da percentagem de participação em entidades com sede ou direcção efectiva em território moçambicano por sociedades comerciais ou civis sob a forma comercial, cooperativas ou empresas públicas, com sede ou direcção efectiva no mesmo território para efeitos de eliminação da dupla tributação económica de lucros distribuídos. A referida percentagem foi reduzida de 25% para 20%.

Estes e outros aspectos introduzidos terão certamente um impacto positivo no nosso sistema fiscal, na medida em que o tornam mais abrangente.

J. Alper Mugalela

Thursday, January 7, 2010

O novo Sistema de Contabilidade para o Sector Empresarial em Moçambique

Foi recentemente publicado o Decreto n.º 70/2009, de 22 de Dezembro, que aprova o Sistema de Contabilidade para o Sector Empresarial, abreviadamente designado por SCE, baseado nas Normas Internacionais de Relato Financeiro, e introduz ajustamentos no Plano Geral de Contabilidade em vigor, aprovado pelo Decreto n.º 36/2006, de 25 de Julho.

Esse Sistema integra, nos termos do n.º 2 do artigo 1 do referido Decreto:
  1. O Plano Geral de Contabilidade para as Empresas de Grande e Média Dimensão, abreviadamente designado PGC-NIRF (Plano Geral de Contabilidade - Normas Intenacionais de Relato Financeiro);
  2. O Plano Geral de Contabilidade para as pequenas e demais empresas, abreviadamente designado PGC-PE.

Para a classificação das empresas em pequenas, médias e grandes são usados diferentes critérios. Segundo o n.º 2 do artigo 2 do referido Decreto n.º 70/2009, de 22 de Dezembro, são consideradas grandes empresas:

  • As empresas públicas ou empresas de capitais maioritariamente públicos;
  • As sociedades com títulos cotados na Bolsa de Valores de Moçambique ou em qualquer outra Bolsa de Valores, desde que tenham sede em Moçambique;
  • As sociedades comerciais constituídas sob uma das formas previstas no Código Comercial que tenham: (a) Total de proveitos e gastos igual ou superior à 1.275 milhões de Meticais; (b) Total do activo líquido igual ou superior à 1.275 milhões de Meticais; (c) Número médio anual igual ou superior à 500 trabalhadores.

O n.º 3 do artigo acima referido estabelece que são consideradas empresas de média dimensão:

  • As que não se enquadrem nas alíneas a) e b) do n.º 2 do artigo 2 do Decreto n.º 70/2009, de 22 de Dezembro;
  • As sociedades comerciais constituídas sob uma das formas previstas no Código Comercial que tenham: (a) Total de proveitos e gastos igual ou superior à 500 milhões de Meticais e inferior à 1.275 milhões de Meticais; (b) Total do activo líquido igual ou superior à 1.275 milhões de Meticais; (c) Número médio igual ou superior à 250, mas inferior à 500 trabalhadores.

São consideradas pequenas empresas aquelas que não se enquadrem nos n.ºs 2 e 3 do artigo 2 do Decreto n.º 70/2009, de 22 de Dezembro, às quais é aplicável o PGC-PE.

Cada um dos Planos que integram o Sistema de Contabilidade para o Sector Empresarial tem uma estrutura específica, mais consentânea com os objectivos do legislador para cada tipo de empresa.

Faremos, em momento oportuno, a análise dos diferentes conteúdos contabilísticos dos Planos com maior destaque para o quadro conceptual, as 28 Normas de Contabilidade e de Relato Financeiro e os modelos de demonstrações financeiras, contidos no PGC-NIRF, bem como para as bases, conceitos e princípios contabilísticos, a mensuração dos elementos das demonstrações financeiras e os modelos de demonstrações financeiras, no PGC-PE.

Até lá!

J. Alper Mugalela

Wednesday, October 14, 2009

Era uma vez a Enron...

O título deste texto suscita de imediato o início de uma história (ou estória, conforme acharem mais conveniente). Ora, é exactamente isso que se pretende. Contar-vos uma história sobre uma empresa americana chamada Enron, que nasceu, cresceu, destacou-se e… BUM! O que aconteceu? Vale a pena ler.

A Enron surgiu em 1985, como resultado da fusão entre as empresas Houston Natural Gas, uma distribuidora regional de gás, sediada em Houston, Estado de Texas, e Internorth, que operava na área de oleodutos e gasodutos e estava sediada em Nebraska.

A empresa tinha como principal actividade a transmissão e distribuição de electricidade e gás natural pelos Estados Unidos. Durante a década de 90, a empresa energética foi ganhando maior expansão e conquistando não só novos mercados, mas também novas áreas de investimento.

Em 2000, a Enron foi considerada a décima sexta maior empresa do mundo e a sétima maior dos Estados Unidos, ocupando o primeiro lugar no sector energético. A empresa detinha várias afiliadas que operavam nas seguintes áreas: (1) Enron Transportation Services, que se dedicava a condução interestadual de gás natural e investimento na actividade de exploração de petróleo; (2) Enron Energy Services, cuja principal atribuição era compra, comercialização e financiamento de gás natural, petróleo e electricidade; (3) Enron Wholesale Services, que tratava dos negócios globais da Enron; (4) Enron Broadband Services, que se dedicava ao serviço de telecomunicações; (5) Corporate and Other, que tratava do abastecimento de água e de todas as outras operações não atribuídas aos outros segmentos.

As receitas da Enron no ano 2000 foram de USD 101 mil milhões de dólares e as suas acções chegaram a ser transaccionadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque (New York Stock Exchange) no valor máximo de noventa dólares e cinquenta e seis cêntimos cada (USD 90.56).

O grande problema da companhia energética começou no início de 2001, quando, numa conferência promovida pela empresa de auditoria Arthur Andersen, levantaram-se suspeitas de manipulação de informação contabilística.

Como resultado, foram suspensos vários contratos importantes, o que culminou com o pedido de demissão por parte do presidente da Enron (Chief Executive Officer – CEO), Jeffrey Skilling, em Agosto de 2001, invocando motivos de ordem pessoal, e o cargo foi assumido pelo anterior presidente Kenneth Lay.

Os problemas contabilísticos da empresa foram mais tarde detectados, tendo Kenneth Lay recebido alguma correspondência que o alertava do escândalo Alguns artigos dos principais jornais americanos como o New York Times e o Wall Street Journal já faziam referência a crise da maior empresa energética, o que resultou na intervenção da Securities and Exchange Commission (SEC), que se viu obrigada a investigar o caso.

Apesar das boas expectativas que tinham os analistas de mercado, o preço das acções da empresa começou a baixar de forma galopante. De noventa dólares e cinquenta e seis cêntimos (USD 90.56) em 2000, as acções passaram para nove dólares e cinquenta e três cêntimos (USD 9.53) em Novembro de 2001.

Em Agosto de 2001, a Enron reconheceu publicamente o prejuízo financeiro que a afectava. Mais tarde, em 28 de Outubro de 2001, foi designado pelo Conselho de Administração (Board of Directors) uma comissão constituída por três membros do Conselho para efectuar uma investigação especial.

Essa comissão emitiu, em 1 de Fevereiro de 2002, um relatório de 217 páginas, onde concluía basicamente que alguns quadros da empresa tinham enriquecido à custa desta e dos investidores através de negócios duvidosos.

Na tentativa de colmatar a situação de crise, a companhia pediu a ajuda do Governo e, mais tarde, os seus administradores apresentaram uma proposta de venda da Enron para uma empresa menor, a Dinegy. Esta recusou a proposta, alegando que a empresa não tinha perspectivas lucrativas. Em Dezembro de 2001, a Enron requereu ao Bankruptcy Court a declaração de falência.

Diversos funcionários seniores da Enron e da Arthur Andersen foram responsabilizados criminalmente pelo escândalo financeiro que levou a empresa a falência. Eis alguns deles:
  • Andrew Fastow, antigo director financeiro da Enron, acusado de fraude, lavagem de dinheiro e conspiração e condenado a 10 anos de prisão depois de ter entrado num acordo de plea bargaining com o Ministério Público;
  • Lea Fastow, assistente de tesouraria na Enron, condenada a 5 meses de prisão;
  • Ben Glisan, antigo tesoureiro da Enron, acusado de conspiração;
  • Jeffrey Skilling, antigo presidente da Enron, condenado à 24 anos e 4 meses de prisão. Cumpre actualmente a pena numa prisão em Colorado;
  • Kenneth Lay, antigo presidente da Enron, declarado culpado pelas acusações, morreu no dia 5 de Julho de 2006, antes da leitura da sentença.

A falência da Enron (e de outras companhias mais ou menos na mesma altura) levou o Congresso Federal dos Estados Unidos a aprovar, em Janeiro de 2002, o Sarbanes-Oxley Act of 2002, uma lei que visa fundamentalmente proteger os investidores através do controlo rígido da contabilidade das empresas e dos serviços de auditoria e consultoria.

O mesmo diploma veio também alterar diversas disposições do Criminal Code (Título 18 do United States Code) relacionadas com os chamados crimes de «colarinho branco» (White-collar crimes), agravando fortemente as penas privativas da liberdade e pecuniárias.

Em 2003, a Enron e todas as suas afiliadas apresentaram um plano de recuperação (joint plan of reorganization), que foi confirmado (ou melhor, aprovado) pelo Bankruptcy Court of the Southern District of New York em Julho de 2004. Esse plano dividia os credores em 385 classes, prevendo o pagamento total de todos os créditos.

Actualmente, a empresa encontra-se em liquidação e opera com a designação Enron Creditors Recovery Corp., que melhor espelha a sua condição económica. Trata-se, portanto, do maior e mais complexo caso de falência nos Estados Unidos.

Eis então a história que vos queria contar. Não se trata de um conto de fadas com um final feliz, mas...


Nota: Alguns trechos deste texto foram retirados da minha tese de licenciatura intitulada «Falência e Recuperação de Sociedades Comerciais em Moçambique: Necessidade de Reforma Legislativa».


Referência bibliográfica

Livros e Jornais

Paul M Healy e Krishna G. Palepu (Spring 2003), «The Fall of Enron», Journal of Economic Perspectives, Volume 17, Number 2, Spring 2003, pages 3-26.

Peter C. Fusaro e Ross M. Miller, «What Went Wrong at Enron: Everyone's Guide to the Largest Bankruptcy in U.S. History» (Wiley, 2002).

Internet

http://www.enron.com/
http://www.findlaw.com/
http://www.sec.gov/

Monday, October 12, 2009

...E assim vai o (in)cumprimento da lei fiscal

Por imposição do n.º 1 do art. 41 do Regulamento do Código de IRPS, aprovado pelo Decreto n.º 8/2008, de 16 de Abril, os titulares dos rendimentos da segunda categoria devem passar recibo, em impresso de modelo oficial, de todas as importâncias recebidas dos seus clientes pelos serviços prestados e emitir factura ou documento equivalente por cada transmissão de bens, prestação de serviços e outras operações efectuadas. Os elementos desses documentos estão fixados no artigo 27 do Código do IVA.

O n.º 4 do referido artigo 41 estabelece, por sua vez, que as pessoas que paguem rendimentos da segunda categoria de IRPS devem exigir os respectivos recibos, facturas ou documento equivalente e conservá-los durante o período de 5 anos subsequentes.

Todavia, nada disto está a acontecer. Alguns profissionais (como contabilistas, tradutores oficiais ajuramentados e outros) têm estado a emitir documentos comprovativos de pagamento sem obedecer o formalismo legal. Tais documentos têm recebido designações como “declaração”, “recibo de pagamento”, etc., sem no entanto conterem os elementos exigidos legalmente.

E o mais engraçado é que as pessoas que pagam esses rendimentos aceitam os referidos comprovativos como se de documentos legais se tratasse.

Ora, é preciso referir que os encargos mal documentados não são dedutíveis para efeitos de determinação do lucro tributável (n.º 1 do art. 35 do Código de IRPS e alínea g) do n.º 1 do art. 36 do Código de IRPC), ou seja, aqueles que pagam aos titulares da segunda categoria pelos serviços prestados e não exigem recibos, facturas ou documentos equivalentes elaborados de acordo com a lei, não podem de forma alguma deduzir esses encargos no cálculo do imposto, devendo tais valores ser devidamente acrescidos em modelo apropriado, sem prejuízo das sanções previstas no Regime Geral das Infracções Tributárias (arts 31 ou 37, conforme o caso).

Tenho dito...

J. Alper Mugalela

Tuesday, September 29, 2009

O novo Código do Imposto sobre Consumos Específicos e as alterações ao Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Foram recentemente publicadas as seguintes leis:

  • Lei n.º 17/2009, de 10 Setembro, que aprova o novo Código do Imposto sobre Consumos Específicos;
  • Lei n.º 20/2009, que altera os artigos 18, 20, 21, 22, 24, 26, 28, 36, 40; elimina a alínea h) do artigo 68 e introduz os artigos 36-A e 41-A, no Código de Imposto sobre Pessoas Colectivas, aprovado pela Lei n.º 34/2007, de 31 de Dezembro.

Ambos os diplomas serão analisados depois de aprovados os respectivos regulamentos pelo Conselho de Ministros.
Até lá!

J. Alper Mugalela

Friday, September 4, 2009

Breve olhar sobre o conceito de rendimento adoptado pelo legislador fiscal nacional

Em qualquer ordenamento jurídico, a implantação de um sistema de tributação directa tem sempre como ponto de partida a adopção de um conceito de rendimento. E tal justifica-se, na medida em que é importante delinear a base de incidência do imposto.
.
Como bem afirma o fiscalista português, Saldanha Sanches, «...o rendimento é um conceito importado da economia política. Fazendo uma comparação tradicional, enquanto o património é um conceito que brota da análise jurídica, o rendimento deverá, como condição prévia à sua utilzação pelos juristas, ser objecto de recepção pelo pensamento jurídico e dotado do grau de precisão necessária para que possa ser um instrumento de aplicação».
.
Aí está a mais pura verdade.
.
Desde logo, o legislador fiscal vê-se confrontado com esse desafio, que, embora pareça de pouca importância, é fulcral e indispensável para as situações futuras de tributação.
.
E não podemos deixar de realçar que se trata de um assunto que tem despoletado os mais acesos debates nas assembleias legislativas, onde fica patente o inevitável cenário de deputados exaustos de mangas arregaçadas e gravatas desapertadas.
.
Várias teorias de rendimento podem ser colocadas à apreciação do legislador fiscal para discussão. No entanto, as que se apresentam com um conteúdo científico aceitável e que, de forma quase exclusiva, têm ocupado lugar de destaque no debate legislativo (e também no doutrinário) são:
  1. A Teoria do Rendimento-Consumo;
  2. A Teoria do Rendimento-Fonte; e
  3. A Teoria do Rendimento-Acréscimo ou do Incremento Patrimonial.
A primeira identifica o rendimento com o consumo, ficando a poupança totalmente excluída da tributação. A consideração fiscal do rendimento restringe-se ao momento em que o contribuinte vai consumí-lo e não ao momento em que o obtém.
.
Para a Teoria do Rendimento-Fonte, desenvolvida nos séculos XVIII e XIX, o conceito de rendimento está directamente ligado à fontes de produção permanentes, independentemente da regularidade dos fluxos produtivos. Os acréscimos patrimoniais não são considerados para efeitos de tributação.
.
A concepção de rendimento que essa teoria traz é bastante vantajosa para as empresas lucrativas e severamente pesada para as que apresentam prejuízos, na medida em que o valor a tributar é aquele que o sujeito passivo podia ter adquirido em condições normais do exercício da sua actividade.
.
A Teoria do Rendimento-Acréscimo ou do Incremento Patrimonial, desenvolvida pelos economistas americanos Robert M. Haig e Henry C. Simons, determina que o rendimento corresponde à soma do consumo e do acréscimo líquido do património. Esta teoria traz um conceito de rendimento amplo, incluindo nele não só a porção proveniente da actividade normal do indivíduo, mas também toda e qualquer variação do património líquido.
.
Uma grande maioria das legislações fiscais tem seguido esta última teoria, na medida em que melhor reflecte a capacidade contributiva.
.
O sistema fiscal moçambicano, que tinha como sustentáculo a Teoria do Rendimento-Fonte, na reforma fiscal de 2002, quando foram aprovados novos códigos sobre o rendimento, adoptou também a Teoria do Rendimento-Acréscimo.
.
Tal opção constituíu uma viragem no ordenamento jurídico-fiscal nacional, onde passou a predominar um conceito lato de rendimento, ficando salvaguardado o já referido princípio da capacidade contributiva.
Continua...

Friday, June 19, 2009

Municipal taxes in Mozambique

I have been receiving a lot of requests for legal advice on municipal tax issues lately. Therefore, I have prepared this short descriptive article where I present the taxes charged by municipalities in Mozambique and their incidence. It is important to note that this is still not the nitty gritty of it. For concrete cases, taxpayers should seek professional help.

Now without further ado, let's start by saying that the Law 1/2008, of 16 January, effective since the date of its publication in the Official Gazette (Boletim da República), governs the Municipal Financial and Tax System. It repeals the preceding Law 11/97, of 31 May, and brings significant changes to the system.

According to that law, municipal taxes are:

Personal Income Tax (Imposto Pessoal Autárquico) – imposed on the taxable income of every resident of a municipality.

Municipal Real Property Tax (Imposto Predial Autárquico) – imposed on the owners of real property in the City. It includes both premises that are used to conduct business, professions or commercial activities and personal residences.

Municipal Tax on Vehicles (Imposto Autárquico sobre Veículos) – imposed on the residents who own vehicles in the municipality. It also includes the owners of leased or rented vehicles.

Municipal Real Property Transfer Tax (Imposto Autárquico de SISA) – imposed on the transfer of real property located in the municipality.

Real Property Enhancement Tax (Contribuição de Melhorias) – imposed on the owners of real property that may be affected by the repair and public works on infrastructure.

Fees for Licenses Granted and Economic Activity (Taxas por Licenças Concedidas e por Actividade Económica) – imposed on licences granted for the use of municipal land, supply of public services and other utilities.

Fees and Charges for Services Rendered (Tarifas e Taxas pela Prestação de Serviços) – imposed on the consumers of public services, such as water and electricity supply.

Hope it is useful.

J. Alper Mugalela

Friday, May 22, 2009

A curva de Laffer e a taxa geral do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRPC)

Colocação do problema

A questão das taxas dos impostos sobre o rendimento constitui grande preocupação tanto para o Estado, como para os contribuintes. Aquele está preocupado em arrecadar mais receitas para uma maior satisfação das necessidades públicas e redistribuição da riqueza e estes últimos, por sua vez, pretendem pagar menos impostos, podendo, deste modo, disfrutar de mais dinheiro.

Na verdade, as taxas dos impostos têm sido objecto de vários estudos e de debates no contexto político, económico e social. É fácil reparar que o legislador fiscal, em qualquer país do mundo, olha para as taxas como o grande enfoque da tributação dos rendimentos, procurando fixá-las de acordo com as políticas governamentais.

No entanto, pergunta-se: qual é a taxa óptima para a tributação de rendimentos?

Esta é a questão que os grandes estudos doutrinais sobre as taxas fiscais procuram responder e constitui também objecto do nosso estudo no âmbito do IRPC. Para melhor compreensão, comecemos então por analisar a chamada curva de Laffer.

A curva de Laffer

A curva de Laffer (em Inglês, the Laffer curve) é uma representação gráfica usada em Economia, cuja função é ilustrar que a subida das taxas dos impostos não implica necessariamente o aumento das receitas fiscais. Trata-se aqui de uma semi-circunferência num gráfico, onde a abcissa representa a taxa do imposto e a ordenada representa a receita fiscal.

A introdução da curva é atribuída à Arthur Betz Laffer, economista americano, cognominado pai da Economia do Lado da Oferta (Supply-Side Economics), que ganhou notoriedade como assessor económico do presidente Ronald Reagan nos anos oitenta.

Para melhor compreensão da curva, consideremos as taxas extremas de tributação de rendimentos, que são 0% e 100%. Ora, se os rendimentos forem tributados à uma taxa de 0%, é óbvio que o Estado não arrecada receita nenhuma, pois não colecta nenhum valor. Do mesmo modo, se a taxa for de 100%, estaremos perante um caso em que os contribuintes não se sentiriam estimulados a exercer actividades geradoras de rendimentos, na medida em que todo o valor adquirido seria encaminhado para os cofres do Estado, ou simplesmente arranjariam mecanismos de evasão fiscal para não pagar os impostos.

Com taxas baixas, os contribuintes, em termos práticos, não vêm motivos para o não pagamento de impostos, o que contribui para o aumento considerável de indivíduos dispostos a pagar o fisco, podendo o Estado arrecadar mais receitas.

Assim, como já foi dito acima, um aumento nas taxas de impostos pode não significar um aumento nas receitas fiscais. Laffer defende que a taxa óptima de tributação de rendimentos encontra-se algures entre os valores percentuais que medeiam os extremos, podendo ser 10%, 20%, 40% ou 50%. Cabe a cada país descobrir em que ponto do gráfico situa-se a taxa que mais receitas produz.

A taxa geral de IRPC
.
A taxa geral de IRPC está, nos termos do n.º 1 do art. 61 do respectivo código, fixada em 32%. É preciso referir, como questão prévia, que o mesmo artigo, nos números 2 e 4, fixa uma taxa de 10% para a actividade agrícola e pecuária (até 2010) e uma taxa de 35% para as despesas confidenciais e os encargos não devidamente documentados, respectivamente. Essas taxas, embora estejam enquadradas no artigo referente às taxas gerais, não podem ser consideradas como tais.
.
Trata-se aqui de mais um lapso do legislador nacional, pois a taxa de 10% devia estar num artigo com a epígrafe “taxa especial” e a de 35% noutro artigo epigrafado “taxa autónoma”.
.
Como dissemos acima, a taxa geral de IRPC está fixada em 32%. O que dizer sobre esta taxa?
Continua...

Os paraísos fiscais: um problema global

“O resto do mundo está a ficar farto dos paraísos fiscais que fecham os olhos à evasão fiscal e permitem que as suas instituições financeiras, os seus advogados, os seus contabilistas e outros lucrem com o não pagamento de impostos noutras jurisdições” – Carl Levin, senador americano, in C-SPAN, 7 de Março de 2009.

A afirmação acima foi feita pelo senador americano, Carl Levin, dirigindo-se ao director financeiro do Departamento Internacional de Gestão de Fortunas do banco suíço UBS AG, Mark Branson, durante o depoimento deste perante a Sub-Comissão Permanente de Inquérito do Senado dos Estados Unidos (Senate Permanent Subcommitee on Investigations), que discutia a questão do sigilo bancário suíço no dia 4 de Março de 2009.

A guerra contra os chamados paraísos fiscais vem sendo desencadeada desde a segunda metade do século passado e intensificou-se recentemente com a realização da cimeira do grupo das 20 maiores economias mundiais (designado G20), em Londres, no dia 2 de Abril de 2009.
.
Mas afinal, o que são os paraísos fiscais e que problema é que representam para os demais países?
.
Podíamos começar a discussão deste tema dando uma definição de paraíso fiscal, mas corríamos o risco de prejudicar o verdadeiro escopo do nosso estudo, pois as dúvidas não seriam de todo dissipadas. Portanto, como ponto de partida, é importante determo-nos na análise de um aspecto preponderante para a compreensão de todo este fenómeno, deixando tal definição para outro momento. Comecemos então por ver a concorrência fiscal internacional.
.
A concorrência fiscal internacional
.
Os Estados actuais, movidos pela necessidade de atingir as metas de crescimento e desenvolvimento económicos, têm estado a criar mecanismos com vista a atracção de investimento e de capital para os seus territórios. Dentre esses mecanismos, destaca-se aquilo a que chamamos de técnica fiscal, que consiste na atribuição de diferentes incentivos fiscais aos investidores, tais como reduções de taxas, deduções, isenções, amortizações aceleradas e outras.
.
Desse processo de atracção de investimento e de capital através da referida técnica advém a concorrência fiscal internacional, um fenómeno que resulta sobretudo da coexistência de diferentes sistemas fiscais autónomos.
.
A concorrência fiscal internacional pode ser benéfica, quando contribui para a redução da pressão fiscal sobre os contribuintes, evitando que os níveis de fiscalidade atinjam proporções negativas para a prática da actividade económica,, ou prejudicial, quando as vantagens de redução ou de eliminação de impostos são concedidas por um Estado à cidadãos de outros Estados, implicando uma perda considerável de receitas para estes últimos.
.
O Relatório da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económicos), elaborado em 1998 e intitulado “Concorrência Fiscal Prejudicial – Um Problema Mundial” ("Harmful Tax Competition: An Emerging Global Issue"), distingue dois tipos de concorrência fiscal prejudicial: os regimes fiscais preferenciais prejudiciais e os paraísos fiscais.
.
Segundo o documento, enquanto que os paraísos fiscais não têm interesse em eliminar a concorrência fiscal prejudicial, mantendo a sua condição, os Estados que dispõem de regimes fiscais preferenciais estão dispostos a abandonar tais regimes na condição de que outros Estados também o façam. Esta é a principal diferença entre ambos. Visto isto, passemos então ao estudo dos paraísos fiscais.
.
Os paraísos fiscais
.
Quando ouvimos falar de paraísos fiscais, imaginamos aquelas ilhas de clima tropical, com lindas praias, iates atracados e magnatas com moradias de luxo, vivendo os encantos da lucratividade dos seus empreendimentos e engendrando futuras aplicações. Ora, tal imaginação não está tão deslocada da realidade.
.
Os paraísos fiscais são pólos de investimentos com condições cada vez mais atractivas e, como referimos anteriormente, não têm interesse nenhum em acabar com as práticas fiscais prejudiciais, abalando as receitas dos outros Estados.
.
Os aspectos que os caracterizam são, entre outros, os seguintes:
  1. Confidencialidade (ou secretismo);
  2. Taxas de imposto reduzidas ou nulas;
  3. Estabilidade política.
A confidencialidade é uma das características basilares dos paraísos fiscais, que vem catapultar a “cobiça” dos aforradores. Nesses locais, a lei garante o sigilo das aplicações feitas e sanciona qualquer conduta conducente à divulgação de informação.
.
Os bancos, por exemplo, não são obrigados a revelar informações sobre os seus clientes, a origem dos fundos destes e os montantes depositados, mantendo-se tudo no "segredo dos deuses".
.
Com todo este aparato, as autoridades fiscais dos Estados de residência não conseguem obter informações sobre as actividades dos seus residentes. Destarte, através deste secretismo, os paraísos fiscais podem proteger ou encobrir actividades ilícitas (trafico de armas, tráfico de drogas, terrorismo, corrupção, etc.) e favorecer a evasão e elisão fiscal de pessoas singulares e colectivas, o que é prejudicial para as outras jurisdições.
.
Outro aspecto preponderante que caracteriza os paraísos fiscais são as taxas de imposto. Estas variam de região para região e costumam ser bastante reduzidas ou até mesmo nulas, como forma de "angariar" mais investidores.
.
Em Vanuatu, por exemplo, as taxas de imposto sobre os rendimentos provenientes dos lucros das sociedades, dos dividendos e das mais valias são totalmente nulas. Na Macedónia, é aplicada a taxa de 10% sobre os rendimentos das pessoas singulares e colectivas. Em Belize, as mais-valias não são tributadas. Em Andorra, não há qualquer tributação de rendimentos de pessoas singulares. Na Bósnia e Herzegovina, é aplicada uma taxa de 10% sobre os rendimentos das pessoas singulares e colectivas e das mais-valias. Em Hong Kong, a taxa de imposto sobre o rendimento é de 17% e as mais-valias não são tributadas. Na Ilha de Man, não são cobrados o imposto sobre o rendimento das pessoas colectivas, o imposto sobre as mais-valias e o imposto sobre sucessões, sendo o rendimento das pessoas singulares tributado à taxa de 10-18%. Como estes existem vários outros casos de taxas reduzidas e/ou nulas.
.
A estabilidade política é outra importante característica dos paraísos fiscais, que influencia largamente a decisão dos investidores. Países como a Libéria ou a República Democrática do Congo raramente são escolhidos para a colocação de capitais, devido à situação de instabilidade que constantemente os abala (excepto nos casos de traficantes de estupefacientes e/ou de armas, que vêm nesses países grandes oportunidades de investimento).
Continua...

Thursday, May 14, 2009

Acções preferenciais remíveis: a falta de incentivos fiscais para as sociedades emissoras

Como verificámos anteriormente, as acções preferenciais remíveis têm, no fundo, características muito semelhantes às dívidas. No campo contabilístico, por exemplo, têm surgido muitas dúvidas em relação a sua colocação no balanço, discutindo-se sobre se as mesmas devem ser enquadradas nas contas do capital próprio ou do passivo.

A International Accounting Standard 32 (IAS 32) ou Norma Internacional de Contabilidade 32 (NIC 32), referente à apresentação de instrumentos financeiros, centrando-se unicamente na substância das acções preferenciais remíveis em detrimento da sua forma, determina que as mesmas devem ser reconhecidas no balanço como instrumentos do passivo, na medida em que o emitente está contratualmente obrigado a entregar dinheiro ou outro activo financeiro ao seu titular na data de remição, sendo os dividendos pagos vistos como custos ou encargos.

Em Moçambique, as acções preferênciais remíveis não são vistas como um meio atractivo de financiamento para as sociedades emissoras e, em consequência disso, são muito pouco usadas, ao contrário do que acontece, por exemplo, nos Estados Unidos da América, onde o seu uso é frequente.

Um dos factores de dissuasão, no nosso país, é a inexistência de incentivos fiscais para as sociedades emissoras desses instrumentos.

O que acontece é que os dividendos pagos aos titulares de acções preferenciais remíveis não são custos para efeitos de determinação do lucro tributável, não podendo ser fiscalmente dedutíveis. Entretanto, os juros de dívidas são considerados custos dedutíveis para efeitos fiscais (alínea c) do art. 22 do Código de IRPC), verificando-se, por isso, que existe um tratamento fiscal diferenciado para instrumentos substancialmente semelhantes.

Deste modo, perante a possibilidade de escolha entre a emissão de acções preferenciais remíveis e a emissão de obrigações, é mais viável (e mais vantajoso) para as sociedades escolher a segunda opção, pelo motivo referido acima.

Portanto, a atribuição de incentivos fiscais (isenção ou redução de taxa) às sociedades emissoras das acções em análise pode torná-las mais atractivas, estimulando o seu uso para efeitos de financiamento.

J. Alper Mugalela

A natureza jurídica das acções preferenciais remíveis

Num belo dia de verão, almoçava com um grande amigo num dos restaurantes da Cidade de Maputo. Falávamos sobre investimentos em activos financeiros (acções, obrigações, opções, futuros, forwards e outros), mais concentrados no impacto que esses instrumentos têm no capitalismo moderno. Nada mais era senão uma troca de impressões, estando, no fundo, cada um de nós a fazer um show-off das preciosas informações que tinha sobre a matéria.

No decurso da nossa discussão, surgiu um ponto muito importante. É que o meu amigo dizia que em momentos de crise, como este que vivemos actualmente, a decisão de investir em acções de sociedades anónimas é imprudente, pois a produtividade das empresas é fraca e insatisfatória, o que afecta gravemente o preço das acções e os dividendos a distribuir aos sócios.

Ele continuou dizendo: “se tivesse que investir em acções, em períodos destes, comprava apenas as acções preferenciais remíveis, pois são mais práticas e evitam dor de cabeça”.

Será isto verdade?

Para responder esta questão, importa analisar a natureza jurídica das acções preferenciais remíveis, enquadrando-as no mundo económico.

Como se sabe, as acções são títulos representativos do capital social das sociedades anónimas e das sociedades em comandita por acções e podem ser nominativas (quando vem designado no título o seu titular, não podendo, por isso, ser transmitidas a outrem sem que seja alterado o proprietário) ou ao portador (quando a titularidade é determinada pela detenção física do título).

Estas duas espécies de acções podem adquirir as seguintes categorias:

a) Acções ordinárias;
b) Acções preferenciais.

As acções ordinárias são, segundo o art. 352 do CCom, aquelas que asseguram aos seus titulares a plenitude dos direitos de accionistas (direito de voto, direito de eleição dos administradores da sociedade, direito aos dividendos e outros).

As acções preferenciais são, nos termos do art. 353 do CCom, aquelas que conferem aos seus titulares dividendos prioritários em cada exercício, ultrapassando os valores atribuídos aos titulares de acções ordinárias.

O dispositivo referido no parágrafo anterior pode ser conjugado com o art. 356 do mesmo diploma legal, que, em termos concretos, estabelece, no seu n.º 1, que às acções preferenciais é atribuído o pagamento, com preferência ou prioridade, em relação aos titulares de acções ordinárias, de dividendos sobre os lucros do exercício económico superiores a pelo menos 10% dos atribuídos à estes últimos.

O n.º 2 desse artigo estabelece ainda que os dividendos efectivamente distribuídos aos accionistas preferenciais, ainda que fixos ou mínimos, devem obrigatoriamente exceder em 10% o valor dos dividendos pagos aos titulares das acções ordinárias.

No entanto, havia ainda algumas imprecisões no tocante aos direitos dos accionistas preferenciais, o que levou o legislador a contemplar essa matéria nas modificações trazidas pelo Decreto-Lei n.º 2/2009, de 24 de Abril. Foi assim que este diploma legal aditou ao Código Comercial o art. 373A, que estabelece, no seu n.º 1, os seguintes direitos aos titulares de acções preferenciais:

a) Todos os direitos incorporados nas acções ordinárias;
b) O direito a um dividendo prioritário, não inferior a 10% do valor nominal e a definir na deliberação de emissão;
c) O direito ao reembolso prioritário do seu valor nominal na partilha do saldo de liquidação (em caso de falência da sociedade).

Os números 2, 3 e 4 do mesmo artigo reforçam ainda mais esses direitos estabelecendo, respectivamente:

a) O direito a receber com prioridade os lucros repartíveis ou, em caso de insuficiência destes, de recebê-los prioritariamente em proporção das suas acções;
b) O direito a que as suas acções sejam convertidas em acções ordinárias, por solicitação escrita, se o dividendo prioritário não puder ser pago durante dois exercícios consecutivos;
c) O direito a escolher a categoria de acções ordinárias a que as suas acções devem ser convertidas, nos casos em que a sociedade é emissora de várias acções ordinárias.

Assim, como se pode constatar da lei, os accionistas preferenciais gozam de algumas vantagens em relação aos titulares de acções ordinárias.

As acções preferenciais, por sua vez, podem ser:

a) Acções preferenciais sem voto;
b) Acções preferenciais remíveis.

As acções preferenciais remíveis são títulos que garantem um dividendo prioritário adicional, podendo ser remidas (ou liquidadas) através do reembolso ou de conversão em acções ordinárias em data pré-fixada ou por deliberação da Administração.

A matéria referente à esses títulos também estava imbuída de algumas lacunas e imprecisões, o que culminou com o aditamento dos arts. 373B e 373C ao Código Comercial. O primeiro, por um lado, estabelece as seguintes condições para a remição de acções preferenciais:

a) O capital social deve estar integralmente realizado;
b) A situação líquida da sociedade não se pode tornar inferior à soma do capital social e da reserva legal como resultado do pagamento do valor da remição e do prémio de remição, nos casos em que haja lugar a este;
c) A remição deve ser feita pelo valor nominal das acções, podendo, se o contrato social o permitir, ser acrescido um prémio de emissão em montante fixado na deliberação de emissão;
d) A remição pode ter lugar em data certa ou a determinar pela administração, não podendo essa data exceder o prazo de 10 anos a contar da data de emissão das acções;
e) A remição de acções não implica necessariamente a redução de capital e nem impede que a Assembleia Geral delibere sobre a emissão de novas acções preferenciais que substituam as acções remidas;
f) A deliberação de remição de acções deve ser registada e publicada.

O art. 373C, por outro lado, dá aos sócios a possibilidade de estabelecer no contrato social sanções para o incumprimento pela sociedade da obrigação de remir as acções preferenciais na data fixada pela Administração.

Deste modo, como se pode constatar da própria lei, as acções preferenciais remíveis são, no fundo, usadas para aumentar o capital social sem alterar a estrutura societária.

No entanto, a natureza jurídica destes instrumentos financeiros tem sido debatida na doutrina. Alguns autores dizem que as acções preferenciais remíveis não podem ser consideradas verdadeiras acções, isto é, não podem ser vistas como títulos representativos do capital social das empresas, mas como títulos representativos de dívida, actuando os seus titulares como credores e as sociedades emissoras como devedoras.

A doutrina dominante, com a qual perfilhamos, defende, por outro lado, que as acções preferenciais remíveis são verdadeiros títulos representativos do capital social das sociedades e que os seus titulares são sócios como todos os outros, embora gozem de alguns privilégios (que como contrapartida retira-lhes, por vezes, o direito ao voto). Os titulares dos instrumentos em análise correm os riscos próprios da actividade comercial nos mesmos termos que os sócios ordinários e, em caso de crise, os seus dividendos, mesmo sendo prioritários, também são afectados.

Porém, está claramente patente que as acções preferenciais remíveis, apesar de serem verdadeiros títulos representativos do capital social, têm características próprias que as distinguem das outras categorias de acções. Aliás, se as analisarmos minusciosamente, podemos verificar que elas são, nalguns aspectos, muito semelhantes às dívidas.

Tomemos, por exemplo, o caso das obrigações, que são títulos representativos de mútuo emitidos pelas sociedades comerciais (art. 386 do CCom) . Esses instrumentos caracterizam-se, basicamente, por deter um prazo (atingido na data da maturidade), findo o qual extingue-se a relação e por incluir o pagamento do valor mutuado acrescido de juros (ressalvando-se os casos de obrigações de cupão zero).

O mesmo acontece com as acções preferenciais remíveis, na medida em que elas também detêm um prazo (atingido na data da remição), que determina a duração da relação, devendo os seus titulares receber o valor da remição, que pode ou não ser acrescido de um prémio de emissão.

Todavia, tais títulos representam o capital social das sociedades anónimas e em comandita por acções, não podendo ser vistos como dívidas.

Assim, respondendo a questão colocada à propósito da afirmação do meu amigo, importa referir que os titulares das acções preferenciais remíveis podem, como todos os outros sócios, ser vítimas destas crises cíclicas. Embora sejam mais práticas, podem criar muita dor de cabeça, pois não estão isentas do infortúnio que pode abalar as acções ordinárias.
.
Bibliografia
.
1. Borges, António, Azevedo Rodrigues e Rogério Rodrigues, Elementos da Contabilidade Geral, Áreas, 16ª Edição, 1998.
2. Kieso, D. e J. Weygaqndt, Intermediate Accounting, JohnWiley, 9ª Edição, 1998.
3. Machado, José R. Brás, Contabilidade Financeira: da Determinação dos Resultados, Protoconta, 1998.
4. Silva, F.V. Gonçalves e J.M. Esteves Pereira, Contabilidade das Sociedades, Plátano Editora, 10ª Edição, 1994.
.
J. Alper Mugalela

Sobre a possibilidade de demandar um consórcio

Nos dias que correm, os órgãos de comunicação social reportam frequentemente a criação deste ou daquele consórcio (nacional ou internacional) para a realização deste ou daquele empreendimento.

Em Moçambique, o contrato de consórcio é regulado pelos artigos 613 e seguintes do Código Comercial. Segundo a lei, o consórcio é o contrato pelo qual duas ou mais pessoas, singulares ou colectivas, que exerçam uma actividade económica se obrigam reciprocamente, de forma concertada, a realizar determinada actividade ou efectuar determinada contribuição com vista a executar actos preparatórios, materiais ou jurídicos, de um empreendimento ou de uma actividade contínua, executar certo empreendimento, fornecer bens a terceiros, pesquisar ou explorar recursos naturais ou produzir bens repartíveis entre os membros do consórcio (n.º 1 do art. 613 do CCom).

Um aspecto importante, estabelecido no n.º 2 do art. 613 do CCom, é que o consórcio não tem personalidade jurídica. Isto significa que o mesmo não pode ser titular autónomo de relações jurídicas, ou melhor, não pode ser um centro de imputação de direitos e obrigações.

Assim, fica claro que os titulares dos direitos e obrigações adquiridos no âmbito da actividade do consórcio são os próprios membros, os chamados consorciados, nos termos da lei e do contrato, na medida em que cada um deles mantém a sua personalidade jurídica.

Outro aspecto que vale a pena referir, para efeitos do nosso estudo, é que existem duas formas de consórcio, nomeadamente o consórcio externo e o interno (art. 619 do CCom).

O consórcio é externo quando as actividades ou os bens são fornecidos directamente a terceiros por cada um dos membros do consórcio, com expressa declaração dessa qualidade, conforme estabelece o art. 620 do CCom, e interno quando as actividades ou os bens são prestados ou fornecidos a um dos membros do consórcio e só este estabelece relações com terceiros ou quando a prestação ou o fornecimento é feito directamente a terceiros por cada um dos membros do consórcio sem expressa invocação dessa qualidade, nos termos do art. 628 do referido diploma.

Apresentados os aspectos acima, vamos avançar para a análise da questão que constitui objecto do nosso estudo: a possibilidade de demandar um consórcio.

Como já foi referido, no ordenamento jurídico moçambicano, o consórcio não tem personalidade jurídica.

Continua...

Wednesday, May 13, 2009

O Decreto-Lei n.º 2/2009, de 24 de Abril, e as alterações ao Código Comercial

Na sequência da autorização legislativa concedida pela Lei 3/2009, de 12 de Janeiro, oGoverno, através do Decreto-Lei n.º 2/2009, de 24 de Abril, introduziu alterações ao Código Comercial, das quais destacam-se as seguintes:

1. Já não existe um valor fixado como capital mínimo das sociedades por quotas (que era de vinte mil meticais, no regime anterior). Desde o dia 24 de Maio de 2009, cabe aos sócios fixar o capital social adequado a realização do objecto social. Parece descabido, mas é possível perceber a intenção do legislador. Ele pretende, como diz no preâmbulo, adequar o Código Comercial às necessidades de simplificação de procedimentos e melhorar o ambiente de negócios.

2. As sociedades comerciais e outras entidades, sujeitas ao fisco, podem adoptar um período anual de exercício diferente do ano civil, sempre que razões determinadas pelo tipo de actividade o justifiquem (art. 169 do C.Com., alterado pelo Decreto-Lei n.º 2/2009 de 24 de Abril). Harmoniza-se, assim, a legislação comercial e a fiscal (vide art. 7 do Código de IRPC).

3. Os suprimentos e as prestações acessórias estavam, no regime anterior, inseridas somente no Capítulo IV do Título II, relativo às sociedades por quotas e eram aplicadas analogicamente às outras sociedades. Com as alterações aprovadas pelo Decreto-Lei n.º 2/2009, de 24 de Abril, os suprimentos e as prestações acessórias foram transpostas para a “Parte Geral”, através da introdução dos artigos 119A, 119B, 119C e 119D.

Porém, o legislador não fez o mesmo com as prestações suplementares. Desconhecemos a razão.

J. Alper Mugalela

Monday, May 11, 2009

O novo Código de Benefícios Fiscais: breve análise

Aspectos gerais

Entrou em vigor, no dia 1 de Janeiro de 2009, o novo Código dos Benefícios Fiscais, aprovado pela Lei n.º 4/2009, de 12 de Janeiro, que revogou o anterior Código dos Benefícios Fiscais, aprovado pelo Decreto n.º 16/2002, de 27 de Junho. Trata-se de um dos diplomas fiscais mais importantes, cujo objectivo é favorecer as actividades de reconhecido interesse público, bem como incentivar o desenvolvimento económico do país.

O novo CBF procura, conforme estabelece o preâmbulo da Lei, “racionalizar os benefícios fiscais para investimentos e torná-los cada vez mais eficientes e eficazes como instrumento de política económica”.

Não houve grandes modificações à nível dos incentivos que são considerados benefícios fiscais, nomeadamente: a) as deduções à matéria colectável; b) deduções à colecta; c) as amortizações e reintegrações aceleradas; d) o crédito fiscal por investimento; e) a isenção; f) a redução da taxa de impostos e o diferimento do pagamento destes.

O novo código faz referência apenas aos investimentos levados a cabo no âmbito da Lei de Investimentos (n.º 1 do art. 3), ao contrário do anterior diploma que se referia aos investimentos realizados no âmbito da Lei de Investimentos, da Lei de Minas e da Lei de Petróleos (n.º 2 do art. 1 do antigo CBF).

Actualmente, os incentivos fiscais das áreas mineira e petrolífera são regulados em diploma específico, Lei n.º 13/2007, de 27 de Junho, que determina, no art. 14, que “os incentivos fiscais aplicáveis aos empreendimentos realizados no âmbito da Lei n.º 3/93, de 24 de Junho, Lei de Investimentos, não são aplicáveis às actividades mineira e petrolífera”.

Outro aspecto importante é que, à luz do novo CBF, os investimentos realizados beneficiam de isenção de pagamento de direitos aduaneiros e do IVA sobre os bens de equipamento classificados na classe K da pauta aduaneira e respectivas peças e acessórios, o que não acontecia no anterior CBF, que atribuía à essas operações isenção apenas de pagamento de direitos aduaneiros, excluindo o IVA.

O novo CBF elimina também a isenção do imposto do selo e redução da taxa de SISA, previstas nos arts. 20 e 21 do anterior CBF, respectivamente.

O novo Código, como o anterior, divide os benefícios em dois tipos:

· Benefícios fiscais genéricos
· Benefícios fiscais específicos

Tanto os benefícios genéricos, como os específicos incluem os benefícios na importação de bens e os benefícios fiscais sobre o rendimento. A diferença entre ambos é que os primeiros são aplicados à investimentos indeterminados e os últimos à investimentos determinados (indústria transformadora e de montagem, agricultura e pescas, hotelaria e turismo, parques de ciência e tecnologia, projectos de grande dimensão).

Critérios de atribuição de benefícios fiscais

Para a atribuição de benefícios fiscais, o novo CBF segue os seguintes critérios:

a) Critério do local de investimento
b) Critério do tipo de investimento

Critério do local de investimento

· Zona de rápido desenvolvimento
· Zonas Francas Industriais
· Zonas económicas especiais

Critério do tipo de investimento

· Indústria transformadora e de montagem
· Agricultura e pescas
· Hotelaria e turismo
· Parques de ciência e tecnologia
· Projectos de grande dimensão

O anterior CBF contemplava apenas os projectos de grande dimensão, actividade hoteleira e de turismo e agricultura. As restantes (indústria transformadora e montagem, pescas e parques de ciência e tecnologia) faziam parte dos investimentos indeterminados aos quais eram atribuídos benefícios genéricos.
.
Taxas e valores a considerar (nota comparativa)
.
Passamos, a seguir, a analisar as taxas e/ou os valores a considerar nas diversas actividades económicas, comparando o anterior CBF e o novo CBF:
.
1. Investimentos nas áreas da agricultura e aquacultura

Anterior CBF: Redução em 80% da taxa de IRPC, imputável a actividade agrícola até 2012. (Este diploma só abarcava a agricultura).

Novo CBF: Redução em 80% da taxa de IRPC, imputável à actividade agrícola até 2015 e de 50% de 2016 até 2025.
.
2. Amortizações e reintegrações aceleradas de bens do imobilizado corpóreo quando afectos à actividade hoteleira e de turismo

Anterior CBF: Opção pela aplicação até o triplo das taxas normais legalmente fixadas para o cálculo das amortizações e reintegrações.

Novo CBF: Incremento em 50% das taxas normais legalmente fixadas para o cálculo das amortizações e reintegrações.
.
3. Despesas a considerar custos fiscais
.
Anterior CBF: Para os Investimentos levados a cabo na Cidade de Maputo é considerado custo fiscal o valor correspondente a 120% das despesas com construção e reabilitação de estradas, caminhos-de-ferro, aeroportos correios, etc. Nas restantes províncias eram deduzidos 150%.
.
Novo CBF: Para os Investimentos levados a cabo na Cidade de Maputo são deduzidos 110% das despesas com construção e reabilitação de estradas, caminhos-de-ferro, aeroportos correios, etc. Para as restantes províncias deduzem-se 120%.
.
4. Operadores e empresas de Zonas francas industriais com Certificado de ZFI

Anterior CBF: Redução de 60% da taxa de IRPC durante o período de 10 anos.

Novo CBF: Isenção de IRPC nos primeiros 10 exercícios fiscais; redução da taxa de IRPC em 50% do 11º ao 15º exercício fiscal; redução de 25%, pela vida do projecto.

Sanções

Relativamente às sanções, não houve modificações. O novo CBF, tal como o antigo, classifica as sanções em impeditivas, suspensivas e extintivas.

J. Alper Mugalela